Browsing Category

Contos de Viagem

Contos de Viagem

As Melhores Atrações Culturais do México

por Tomás Yazbek

A primeira impressão da mais antiga metrópole das américas, Cidade do México, não é das melhores. A começar pela própria alfandega do país, que checa mala por mala de todos que chegam a capital até o trajeto do aeroporto a área central da cidade, passando por zonas de extrema pobreza e insegurança. Mas a verdade é que atualmente a cidade vive um de seus melhores momentos, com mais policiamento, drástica redução do seu nível de poluição, abertura de novos restaurantes e hotéis, a cidade com o maior número de museus das américas exala cultura e história a cada esquina. De casarões que remetem ao período colonial ao Palácio de Belas Artes e imponentes construções Art Nouveau.

A capital mexicana, tem sua origem ainda no antigo Império Asteca, quando por volta do século XIV foi fundada como capital do Império, chamada a época de Tenochtitlán. Em 1524, porem, acabou por ser completamente destruída pelos colonos espanhóis, e reconstruída nas décadas seguintes de acordo com os padrões da colonização espanhola. No século XVI, a cidade reconstruída, recebeu o nome que a acompanha até hoje, Ciudad de México. Como as demais metrópoles mundiais, é um grande centro cosmopolita com inúmeras atrações.

Tenochtitlán, a antiga Cidade do México

Tenochtitlán, a antiga Cidade do México

 

Para aqueles que vão a cidade pela primeira vez, com certeza o centro histórico deve ser a primeira parada. Lá é possível conhecer melhor sobre a cultura e história de praticamente todas as demais atrações da cidade. É lá também que se encontram a maior parte dos atrativos turísticos, como a praça da constituição, ou como é localmente conhecida, Zócalo.  Uma das maiores praças do mundo, foi testemunho de importantes eventos políticos, cívicos e culturais do país nos últimos 700 anos. Debaixo da praça, na estação do metrô, é possível ver maquetes e fotografias da região através dos séculos. Vale ressaltar que em 1987 a região foi tombada pela Unesco, tornando todo Centro Histórico da Cidade do México Patrimônio Mundial.

Na região encontra-se a maior Catedral de todo continente americano, a Catedral Metropolitana do México, construída sobre os escombros de um antigo templo asteca, é um excelente exemplo bem conservado da arquitetura renascentista, barroca e neoclássica, tendo em vista que sua construção perdurou por quase 3 séculos, obviamente sob o comando de diversos arquitetos.

all-planet-diaries-mexico-catedral

Catedral Metropolitana do México

 

A poucos passos da Catedral, encontra-se o Palácio de Belas Artes, um dos monumentos mais emblemáticos de arte e cultura da cidade. Sua arquitetura é mais um exemplo das misturas arquitetônicas da cidade, erguida em estilo Art Décor e Art Nouveau. A principal casa de ópera da cidade, apresenta um magnífico vitral de Tiffany e diversas obras dos famosos muralistas, como Diego Rivera, David Alfaro Siqueiros e Rufino Tamayo, além de diversas obras que fazem alusões a deuses pré-hispânicos, honrando a antiga civilização Asteca. Atualmente sede do Balé Folclórico do México, as mais importantes expressões da música, pintura, escultura, e literatura acontecem aqui. O restaurante do Palácio é um magnífico marco para sentir que faz parte do luxo de meados do século XX.

O Palácio de Belas Artes

Palácio de Belas Artes

 

Ainda no Centro histórico, trabalhadores da construção civil descobriram em 1978 um antigo templo Asteca, o Templo Mayor, um dos principais templos da antiga capital Tenochtitlán. Sua construção teve início no século XIV, passando por diversas modificações e até mesmo sendo reconstruído por seis vezes até sua destruição em 1521 pelos espanhóis. Uma parte, porem muito bem conservada, tornou-se museu, expondo em suas oito salas um rico acervo resgatado no local e artefatos dedicados as principais divindades astecas.

Não se pode visitar a cidade sem conhecer o museu dedicado ao mais famoso casal das artes mexicanas. O Museu-Estúdio de Diego Rivera e o Museu Frida Kahlo, que funciona na casa da artista, no bairro de Coyoacán. Além de manter grande parte da casa como originalmente habitada, o museu conta com um incrível acervo de ambos os artistas, além de exposições temporárias. Atualmente apresenta uma exposição de vestidos e vestimentas de Frida Kahlo.

Museu Frida Kahlo

Museu Frida Kahlo

 

Outra visita imperdível é o Bosque de Chapultepec, o maior parque urbano da américa latina, repleto de atrações como o zoológico da cidade, jardim botânico e parques recreativos, além é claro de uma enorme área verde, raridade na capital mexicana. O parque abriga também diferentes museus e mostras culturais. O parque é dividido em 3 seções. Na primeira, onde se concentra a maior parte das atrações, é possível visitar o Museu de Arte Moderna, dedicado a Rufino Tamayo e o Museu Nacional de Antropologia, com rico acervo e construção faraônica, pode-se tranquilamente passar dias visitando o local.

Ainda no parque, vale a visita ao histórico Castelo de Chapultepec, antigo palácio imperial e residência presidencial. Atualmente, o Castelo abriga o Museu Nacional de História, e além de seu vasto acervo, conta com uma maravilhosa vista panorâmica da capital mexicana. Próximo ao parque encontra-se o Monumento à Independência, além de edifícios contemporâneos, e luxuosos centros comerciais.

Bosque de Chapultepec

Bosque de Chapultepec

 

Vale lembrar que o México é o mais católico país das américas, não à toa, o Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe é uma basílica menor da Igreja Católica, e santuário nacional do México. Composto por várias igrejas e capelas, dentre elas duas basílicas, uma do século XVI, e outra de 1974, é considerado o principal templo da Igreja Católica no continente americano sendo o segundo santuário católico mais visitado no mundo, perdendo somente para a Basílica de São Pedro, recebendo mais de 20 milhões de visitantes todos os anos.

Basílica de Guadalupe

Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe

Para quem tiver tempo livre, após a visitar a Basílica, vale a pena um passeio por Teotihuacán, um dos mais importantes e bem conservados sítios arqueológicos das américas, famoso por suas pirâmides e incríveis murais.

Teotihuacán

Teotihuacán

Para receber promoções exclusivas que só compartilhamos por e-mail, clique aqui para se cadastrar na newsletter.

Siga a All Planet Diaries no Facebook e Instagram

Nunca Perca Outro Post!

Fique sabendo de todas nossas novidades e promoções por e-mail

Contos de Viagem

O Que Fazer Em Amsterdam

por Tomás Yazbek

A charmosa e histórica Amsterdam sempre surpreende seus visitantes. Por detrás de suas construções e canais datados do século XVII, vive uma cidade cosmopolita, com forte espirito inovador, provavelmente em grande parte por influência de seus habitantes, provenientes de mais de 150 países.

Conhecida internacionalmente por sua postura liberal em relação a algumas drogas e ao sexo, a cidade tornou-se um dos destinos preferidos de jovens em busca de diversão, mas todos aqueles que tem a oportunidade de realmente conhecer a cidade, podem atestar que esta fama não condiz com a realidade da cidade. Sim diversos coffee shops vendem drogas legalmente pela cidade e o Red Light District é uma verdadeira vitrine para os profissionais do sexo, mas estes são sem dúvida os menores atrativos da cidade.

All Planet Diaries Amsterdam

Apesar de relativamente pequena, com cerca de 800 mil habitantes, Amsterdam é uma cidade repleta de importantes museus, igrejas e atrações para todos os gostos. Repleta de parques e praças, é uma cidade com inúmeras áreas verdes, todas muito bem aproveitadas por seus habitantes e visitantes. Seu parque mais famoso, o Vondelpark, é uma combinação de jardins, lagos, canais, campos e bosques. Durante o verão abriga o Vondelpark Open Air Theater, com espetáculos variados e gratuitos a todos os visitantes. Outro parque importante, o Oosterpark, um parque mais frequentado por locais, até mesmo por sua localização não central, mas é palco de um importante festival de música do mundo, o Amsterdam Roots Festival, que recebe todos os anos no mês de junho, artistas de diversos países para performances gratuitas.

Vondelpark

Vondelpark

 

São tantos museus e atrações que fica impossível aprofundar no tema, mas a cidade respira arte e história. Na Museumplein ou praça dos museus, ficam três dos mais importantes museus da cidade, o Rijksmuseum, o Museu Van Gogh e o Stedelijk. O Rijksmuseum é sem dúvida um dos mais importantes museus do País. Dedicado a arte e história, o museu conta com um vasto acervo de artistas holandeses, contando a história da arte do país desde a idade média até o século XX. Além disso conta com um belíssimo e importante acervo de arte asiática e europeia. O museu Van Gogh apresenta o mais importante acervo do artista holandês e conta também com rico acervo de seus contemporâneos e influências. O Stedelijk é casa do principal acervo de arte moderna, contemporânea e design da cidade.

Rijksmuseum

Rijksmuseum

 

Ainda na praça (Museumplein), fica a Concertgebouw, uma das três melhores salas de concerto do mundo, ao lado da Symphony Hall em Boston e da Musikverein em Viena. Um belíssimo edifício, com mais de 800 concertos anuais e um público superior a 700 mil pessoas, a Concertgebouw é também uma das mais frequentadas do mundo.

Concertgebouw

Concertgebouw

 

A Dam, praça localizada no centro histórico de Amsterdam, é outro destino essencial, além de palco de diversos eventos históricos do país ao longo dos séculos, é também o endereço de diversos edifícios históricos, como o magnifico Palácio Real de Amsterdam, um dos quatro palácios a disposição da família real e exemplo clássico da arquitetura holandesa, e também da Nieuwe Kerk, ou Igreja Nova, que de nova tem apenas o nome, datada de 1408, foi construída pois a Igreja Velha havia ficado pequena demais para a crescente população.

All Planet Diaries Amsterdam Dam Square

Dam Square

 

Amsterdam abriga também diversos outros museus importantes e interessantes, como por exemplo o Hermitage, museu satélite do Hermitage de São Petersburgo na Rússia, que leva um pouco da arte, história e cultura da Rússia para a cidade. A Casa de Rembrandt, onde o Artista viveu entre 1639 e 1658, mantem um fiel retrato da casa do artista, sua cozinha, seu estúdio e diversos objetos pessoais, alguns pitorescos, tornam a visita interessante. Outro museu que sem dúvida vale a visita, A Casa de Anne Frank, mostra o esconderijo onde Anne e sua família viveram ao lado de outras duas famílias durante parte da segunda guerra. O local onde Anne Frank escreveu seu famoso diário emociona, além de uma visita virtual, a casa abriga o diário original e apresenta diversas mostras temporárias sobre o nazismo e fascismo na época e nos dias de hoje, interessante e triste, um espaço a ser preservado para lembrar dos horrores do passado e prevenir que aconteçam novamente.

A casa de Anne Frank

A casa de Anne Frank

 

Hoje os holandeses estão se igualando aos escandinavos, já conhecidos como os mestres do design vanguardista, com inúmeras lojas de design peculiar, galerias e estúdios de arte, e até mesmo estilistas precursores, com uma sofisticada gastronomia e ainda na região portuária da cidade sua arquitetura futurística, com uma linguagem moderna que homenageia também as históricas casas dos canais da cidade, Amsterdam é de fato uma cidade com muito a se explorar, e sem dúvida vale ser visitada e vivida.

Para não prolongar ainda mais o texto, resolvi preparar um pequeno guia, com algumas atividades interessantes e restaurantes. Espero que gostem das dicas.

Alguns Programas:

– Mesmo para aqueles que não sejam fãs de beber, uma experiência muito interessante é a visita a antiga fábrica da famosa cerveja Heineken. No local onde até 1988 funcionou a cervejaria, um museu ganhou espaço e oferece tours e exibições interativas, além é claro de bares para degustação de cerveja, vale lembrar que no ingresso 3 copos de cerveja estão inclusos.

– O Red Light District também acho que vale a visita, mulheres, homens e transexuais ficam literalmente em vitrines se expondo como mercadoria para seus potenciais clientes, completamente turístico, é seguro e diria um pouco surreal então sugiro um rápido passeio pela área, que conta também com um museu do sexo, este por sua vez acho que pode ser pulada a visita, não apresenta nada de tão inusitado ou interessante.

Programas Gastronômicos:

– Os holandeses apreciam batata frita como nenhum outro povo! A cidade tem várias barraquinhas que servem exclusivamente batatas fritas, mas sem dúvida a melhor é uma pequena venda escondida em uma rua não turística da cidade. É só uma portinha. Se chama Vleminckx, tem grandes filas, mas sem dúvida vale a visita.

Endereço: Voetboogstraat 31.

– Para os amantes de doce (como eu), uma experiência gastronômica surreal são aqueles Waffles recheados de caramelo, muitos já deve ter comido em São Paulo ou algum lugar do mundo, mas para quem não sabe é um doce tipicamente holandês, então sugiro provar um autêntico e fresquinho em qualquer feira de rua da cidade.

Alguns Restaurantes:

– O Momo, excelente restaurante, vale a visita para aqueles que apreciam a gastronomia Pan-Asiática. Fica dentro do Park Hotel, e para mim é um dos melhores restaurantes da cidade. Vale lembrar que fora do Brasil, é comum os melhores restaurantes localizarem-se em hotéis.

Endereço: Park hotel, Stadhouderskade 25 – ao lado do Vondelpark então um programa interessante pode ser almoçar no Momo e passar o restante do dia no parque.

– Outro restaurante para mim imperdível é o La Rive, um francês elegante com cozinha impecável, localizado no Amstel, um tradicional hotel hoje administrado pela rede Intercontinental, que além do hotel e à vista do restaurante serem maravilhosos, o premiado e estrelado chefe foi pupilo do maior chef francês da atualidade, Alain Ducasse. Realmente vale a visita apesar do preço um pouco salgado.

Endereço: Intercontinental Amstel Amsterdam, Professor Tulpplein 1.

Elkaar– um BIB gourmand (bom e barato Michelin) aconchegante, comi o melhor molho de tomate da minha vida. Simples, mas incrível. Não sei se o cardápio é o mesmo mas acho que vale olhar, gostei tanto que em minha última passagem pela cidade fui duas vezes na mesma semana só pelo molho.

Endereço: Alexanderplein 6.

– O Le Garage, outro francês gostoso e bem frequentado de preço médio, é comparável ao nosso paulistano Spot, realmente sempre cheio e com pessoas bonitas e ainda pouco turístico.

Endereço: 54-56 Ruysdaelstraat

Espero que gostem das dicas! E com certeza a equipe da All Planet pode ajudar a encontrar as melhores opções em hotel e transporte para Amsterdam e toda Europa!

Siga a All Planet Diaries no Bloglovin, Facebook e Instagram

Nunca Perca Outro Post!

Fique sabendo de todas nossas novidades e promoções por e-mail

Contos de Viagem

O Que Fazer Em Buenos Aires

por Tomás Yazbek

Provavelmente a mais bela capital latino-americana, Buenos Aires encanta quase de imediato seus visitantes. Seus belos edifícios, inúmeros parques e cafés, a forte influência europeia combinada com o espirito latino de seu povo, criam a perfeita atmosfera para aqueles em busca de romance. Sua agitada vida noturna que vai muito além do turístico tango, atrai cada vez mais jovens, repleta de atrações para todos os gostos, a cidade, considerada por muitos a Paris da América Latina, é na maioria das vezes o primeiro destino internacional dos brasileiros.

Buenos Aires, apesar da grave crise econômica que a quase duas décadas ainda assola o país, a cidade manteve sua graciosa elegância e sua constante evolução. Uma cidade vibrante e cosmopolita, tornou-se um destino cool. Sua bela arquitetura bem preservada. É um destino realmente para todos os gostos, pode se visitar edifícios históricos, seus diversos museus, mas pode-se também passar as tardes em um de seus deliciosos cafés, jantar em um de seus diversos restaurantes, e passar a noite em um clube animado ou jogando no seu barco-cassino.

All Planet Diaries Buenos Aires

Sem dúvida para aqueles que vão a cidade pela primeira vez não podem passar algumas das visitas tradicionais. É imprescindível uma visita a Plaza de Mayo, palco dos mais importantes acontecimentos políticos do país no último século, a praça tem simbolismo histórico para o país, além de ser o endereço de 3 dos mais importantes e belos edifícios do cidade, a famosa Casa Rosada, como é conhecido o Palácio do governo, um edifício encantador construído em estilo neoclássico leva seu nome graças a sua pintura rosada, a Catedral Metropolitana de Buenos Aires, que acaba de ser restaurada, um edifício pitoresco com diversos estilos arquitetônicos unidos e do Cabildo sede do governo municipal durante a época da colonização espanhola.

Casa Rosada

Casa Rosada

 

Ainda para aqueles que vão a cidade pela primeira vez, o moderno e deslumbrante Puerto Madero é outro destino imprescindível. Vibrante, e noturno se encontra ótimas opções de restaurantes e clubes. San Telmo, o mais antigo bairro da cidade, com suas ruas de pedra, bares e restaurantes e edifícios antigos ainda muito bem preservados, também deve fazer parte da lista. Conhecida por suas famosas feiras de artesanato, encontra-se na região diversos também antiquários e barracas de artesanato, além é claro de inúmeras performances de tango, sejam em shows fechados ou em plena rua.

Puerto Madero de noite

Puerto Madero de noite

 

Poucas grandes cidades latino americanas conservaram tão bem seus edifícios históricos como Buenos Aires, a cidade abriga um dos 5 melhores teatros em acústica do mundo, o belíssimo Colon, recém restaurado, vale a visita ou para aqueles que tiverem a oportunidade, assistir uma performance.

Teatro Colon

Teatro Colon

 

Até o metro de Buenos Aires vale a visita, com a mais antiga linha de todo hemisfério sul, Buenos Aires foi uma cidade que cresceu com planejamento. É claro não posso deixar de citar um dos destinos mais pitorescos da cidade, na periferia da Boca fica o El Caminito, com suas casas coloridas, o que um dia foi uma grande favela hoje é uma grande atração turística que vale a visita.

El Caminito

El Caminito

 

Buenos Aires tem tantos lugares para se visitar e tantas atrações que não creio seja possível falar sobre todos nesta breve coluna. Acabei por não citar diversos museus, restaurantes e cafés e até bairros como a Recoleta ou o Palermo Soho, onde localiza-se o magnifico Jardim Japonês, mas para não me alongar preparo depois um roteiro para aqueles que buscam um pouco mais da gastronomia e museus da cidade.

Jardim Japonês

Jardim Japonês

 

Apenas para aqueles apaixonados pelo pequeno príncipe, ou por história em geral, vale lembrar que pela primeira vez na história, o apartamento onde viveu o escritor Antoine de St. Exupéry em Buenos Aires durante seus anos de diretor da Compañía General Aeropostal Argentina, entre 1929 e 1931, abriu suas portas ao público com uma exposição que relembra momentos do francês no país sul-americano.

A origem de tanta rivalidade entre brasileiros e argentinos é atribuída a tantos aspectos diferentes, que não vale a pena entrar no mérito ou muito menos compreender, mas vale dizer que os Portenhos, como são chamados os naturais de Buenos Aires podem até parecer à primeira vista fechados e até um pouco antipáticos, mas isso não passa de uma fachada, com educação são facilmente conquistados e se mostram extremamente amigáveis.

Quer ir para Buenos Aires? Planeje sua viagem com a All Planet!

Siga a All Planet Diaries no Bloglovin, Facebook e Instagram

Nunca Perca Outro Post!

Fique sabendo de todas nossas novidades e promoções por e-mail

Contos de Viagem

Férias no Ártico: Dormindo em uma Cama de Gelo

por Tomás Yazbek

O pioneiro Ice Hotel, o primeiro hotel construído em gelo no mundo, tem sua historia no início dos anos 80, com o desenvolvimento da isolada região de Kiruna (Província Sueca), em especial o vilarejo de Jukkasjärvi, localizado a 200 km acima do circulo polar ártico.

Vista aérea do Ice Hotel e do Rio Torne

Vista aérea do Ice Hotel e do rio Torne

 

Buscando desenvolver a até hoje remota região, o governo local com o apoio de moradores e em parceria com empreendedores passou a buscar alternativas para economia local, procurando torná-la um polo turístico. Pouco explorada, rapidamente o grupo obteve sucesso, tornou-se um paraíso para os amantes da natureza e de aventuras. Programas, tais como treinamento de sobrevivência, pesca e canoagem foram implementados para atrair novos turistas, e complementavam a programação daqueles poucos que já frequentavam a região graças ao conhecido rio Torne, aventureiros praticantes de rafting.

Em pouco tempo, com a melhoria da infraestrutura e a expansão do aeroporto de Kiruna, tornou-se muito mais que um destino exclusivo para esportistas. Passou a sediar conferencias, encontros empresariais e tornou-se ate mesmo um destino popular para grupos de curiosos em busca do sol da meia-noite.

Jukkasjärvi logo deixou de ser um ponto de encontro exclusivamente para turistas em busca de aventuras. O forte inverno, porém, limitava as atividades ao verão, tornando a região praticamente deserta por quase 5 meses do ano.

Yngve Bergqvist fundador do Ice Hotel e um grande entusiasta das artes, inspirado pela tradição japonesa em esculturas de gelo, teve então a ideia de em pleno inverno promover um workshop com a ajuda de dois escultores de gelo profissionais japoneses. No inverno de 1989 convidou artistas de diversos países para passar uma temporada congelante na região e explorar o material, dando início assim ao que viria a ser hoje o mundialmente famoso Ice Hotel. Em 1990, ele foi além, começou a construir com gelo, ainda modesto, apenas um grande iglu foi construído para abrigar as obras produzidas. Foi quando alguns de seus convidados, munidos de pele de rena e sacos de dormir lhe perguntaram se poderiam dormir ali. E assim em 1991 Yngve Bergqvist inaugurou oficialmente o primeiro hotel inteiramente construído de gelo e neve do planeta.

A entrada icônica do Ice Hotel

A entrada icônica do Ice Hotel

 

Hoje preparando-se para sua 26ª temporada, o hotel evoluiu muito e a cada ano um grupo seleto de artistas são convidados a “decorar” quartos exclusivos com o gelo, além de uma belíssima capela, tornando o local ainda mais popular. Como uma mini Las Vegas, casais apaixonados fazem fila para se casar.

Um casamento na capela do Ice Hotel

Um casamento na capela do Ice Hotel

 

Estes artistas, de todo o mundo, utilizando apenas a água congelada do rio Torne (da onde vem toda água utilizada na construção do hotel), reúnem-se na pequena aldeia sueca, dentro do circulo Polar Ártico, para criar uma exposição de arte exclusiva.

A arte é criada com imaginação e trabalho duro, para infelizmente derreter sob os raios do sol implacável da primavera.

Uma das obras da exposição exclusiva

Uma das obras da exposição exclusiva

 

Para os casais apaixonados são oferecidos sacos de dormir compartilhados, permitindo assim além do aquecimento da pele de rena que cobrem as camas também feitas de gelo e o saco de dormir feito especialmente para temperaturas extremas, um pouco de calor humano. Pessoalmente aconselho que se reserve um quarto de gelo e um chalé de madeira. Aqueles corajosos suficiente para passar a noite toda em um quarto de gelo, vale lembrar, banheiros e armários são comunitários, e caso sofra no meio da noite com o frio, nem sempre o hotel tem disponibilidade para reacomodá-lo. De qualquer maneira todos que passam pela experiência recebem um certificado, afinal não é para qualquer um adormecer em um ambiente cuja temperatura media é de -5 graus célsius.

Fique em uma acomodação de gelo, como a Deluxe Suite...

Fique em uma acomodação de gelo, como a Deluxe Suite The Great Escape…

 

... ou em um quarto de madeira, como o Nordic Chalet

… ou em um quarto de madeira, como o Nordic Chalet

 

O hotel conta com um Ice Bar, onde bebidas alcoólicas são servidas em copos de gelo, e os hospedes ficam em um ambiente de -5 graus sentados em blocos de gelo coberto por pele de rena. Dois restaurantes, um tradicional localizado em um antigo chalé e outro mais moderno onde são servidos pratos típicos da região, como carne e sorvete de rena, dentre outros pratos típicos da região, completam a experiência gastronômica do local.

Os trajes e as bebidas em copos de gelo no Ice Bar

Os trajes e as bebidas em copos de gelo no Ice Bar

 

Durante o Inverno, a localização é ideal para aqueles que tanto sonham em ver a aurora boreal, uma experiência única, e conta com diversas atividades interessantes, como passeios em treno puxado por cães, safaris fotográficos de snowmobile, cross-country skiing, jantares ao ar livre cercado pela natureza com uma temperatura media de -40 graus, e até mesmo montar a cavalo no gelo. É uma experiência única, uma daquelas viagens que todos devemos fazer pelo menos uma vez na vida.

A aurora boreal

A aurora boreal

 

Algo que ninguém pode deixar de provar, sendo quente ou frio é o delicioso suco de Lingonberry, típico da região da Laplandia, no norte dos países escandinavos. E para os corajosos, que enfrentam uma noite em 5 graus negativos, nada melhor do que ser acordado com um copo do suco quente para aquecer o corpo.

Em comemoração aos 25 anos do hotel, Yngve Bergqvist, foi além. Promete para este ano a inauguração do Ice Hotel 365, um hotel de gelo que passará a funcionar durante todo o ano, permitindo assim aos visitantes explorar ambos os mundos da região. Para isso a estrutura externa do hotel deixará de ser de gelo e neve, mas através de energia solar todo interior permanecerá congelado durante todo ano. Yngve garante, porém, que o Ice Hotel tradicional continuará a ser construído todos os anos, e continuará a surpreender com novos designs, praticamente uma escultura gigante. A ideia do 365 é apenas dar oportunidade para aqueles que não estão dispostos a passar um frio congelante do inverno em Jukkasjärvi e também oferecer uma gama maior de atividades para seus hóspedes.

Outra conquista interessante com a inauguração do novo hotel, é a possibilidade de manter vivas as esculturas, o Ice 365 promete abrigar a maior exposição de arte ao norte de Estocolmo e de todo ártico.

Projeto do Ice Hotel 365

Projeto do Ice Hotel 365

 

Aguçou o interesse para se hospedar no Ice Hotel? Entre em contato conosco que planejamos sua viagem!

Siga a All Planet Diaries no Bloglovin, Facebook e Instagram

Nunca Perca Outro Post!

Fique sabendo de todas nossas novidades e promoções por e-mail

Contos de Viagem

Paris: A Cidade Luz

Por Tomás Yazbek

Conhecida como a cidade luz, Paris é sem duvida uma das mais belas e bem planejadas cidades do planeta. Até meados do século XIX, Paris era uma cidade medieval, com pequenas vielas e considerada a época insalubre, até que o então prefeito Georges Haussmann conhecido como o “artista demolidor”, promoveu a reforma urbana de Paris, redesenhando a cidade, demolindo diversos edifícios, que deram lugar a uma cidade planejada com grandes avenidas e parques, mas mantendo intactos seus monumentos históricos.

Paris é um verdadeiro museu a céu aberto. A beleza em parte planejada por Haussmann e em parte pelos seus belos monumentos, palácios e museus, criam uma atmosfera elegante e vibrante ao mesmo tempo.

A beleza de Paris

A beleza singular de Paris

 

Com suas belas ruas, inúmeros cafés e restaurantes estrelados, caminhar por Paris é um prazer à parte de qualquer museu da cidade, que não são poucos. A começar pelo Louvre, um dos maiores e mais importantes museus do mundo, e o mais visitado.

Paris conta com uma variedade imensa de museus, desde o Musée D’Orsay, com vasto acervo de pinturas e esculturas de grandes artistas impressionistas, pós-impressionistas e até modernos, ao Centre Georges Pompidou, construído na década de 70 cuja arquitetura futurista, já evidencia o que se encontra no interior do museu, um vasto acervo de arte moderna e contemporânea do século XX, do Fauvismo e do Cubismo ao Abstrato do pós-guerra até as instalações em vídeo. São tantos os museus que seria impossível em um texto ou ainda melhor em uma viagem conhecer a todos, mesmo que só os importantes, pois ainda assim são inúmeros.

Musée du Louvre

Musée du Louvre

 

Sem dúvida Paris é a cidade da cultura. Além de seus incríveis museus e exibições permanentes, sempre se renova com exposições diferentes. No ultimo ano, por exemplo, outra grande Galeria parisiense, o Grand Palais, um maravilhoso “palácio” construído para a grande exposição mundial de 1900 em Paris, reuniu obras de artistas contemporâneos inspirados por Pablo Picasso, com o objetivo de demonstrar o impacto que o artista representou e ainda representa na arte. Na mesma galeria a tradicional marca francesa Louis Vuitton também promoveu uma mostra celebrando seus 150 anos de história.

Obras de Pablo Picasso no Grand Palais

Obras inspiradas por Pablo Picasso no Grand Palais

 

Além de ser a capital mundial da cultura, Paris é também sem dúvida a capital mundial da gastronomia e da moda, mas isso é assunto para outro texto.

Apenas para evidenciar a importância de cidade no mundo da moda, o termo haute couture, ou em português, alta costura, tem proteção jurídica e só pode ser utilizado por um limitado número de Maisons, todas com sede na França, especialmente em Paris. Atualmente 13 grifes podem apresentar coleções e comercializar alta costura. Além destas, 5 grifes convidadas fazem parte deste seleto grupo, porém, não são considerados membros oficiais por sua origem estrangeira. Todas seguem um rigoroso padrão de qualidade e devem ser confeccionadas na França.

A Maison Dior

A Maison Dior

 

Em gastronomia, a variedade e qualidade são espetaculares, deixo aqui apenas um exemplo, meu restaurante preferido da cidade, o Le Stresa, um italiano sem extravagancia, mas simplesmente divino. Comandado por dois gêmeos italianos, e considerado por muitos o melhor italiano da cidade.

Paris é uma cidade à parte. Para os amantes desta que provavelmente é a mais emocionante, viva e charmosa cidade do planeta, pousar no Aeroporto Charles de Gaulle, é uma emoção única. Em mais de 15 visitas à cidade, sempre me emociono, e sempre dói ir embora. Com tanto a se contar, tanto a se visitar, ver e viver, com certeza vocês lerão mais algumas colunas dedicadas a ela, em especial a alguns tópicos mais específicos! Prometo para muito em breve um pequeno guia gastronômico.

Siga a All Planet Diaries no Bloglovin, Facebook e Instagram

Nunca Perca Outro Post!

Fique sabendo de todas nossas novidades e promoções por e-mail

Contos de Viagem

A Bela e Cativante Viena

Por Tomás Yazbek

“As ruas de Viena são pavimentadas com cultura,

as de outras cidades, com asfalto”

Karl Kraus, escritor e jornalista austríaco (1874- 1936)

Uma das mais elegantes e cativantes cidades europeias, Viena por muito tempo persistiu em sua decadente gloria histórica. A grandiosidade arquitetônica e portentosos parques deixados como legado da era Habsburg, permitiu aos vienenses e sua magica cidade viver neste distante passado por mais tempo que a maioria das cidades históricas europeias.

Hoje uma cidade transformada, Viena tornou-se uma grande mistura de estilos arquitetônicos que convivem de maneira harmoniosa. Preserva o melhor de seus edifícios Barrocos, com exemplares impares da arquitetura Neoclássica, ao lado de deslumbrantes edifícios em estilo Art Nouveau, que perduram com grande imponência ao lado dos mais diversos edifícios modernos, pós-modernos e contemporâneos. Tornou-se no pós-guerra um grande centro cosmopolita e moderno. Desde a década de 1970, Viena cada vez mais se destaca no design internacional.

A linda vista de Viena

A linda vista de Viena

 

A joalheria Schullin é um perfeito exemplo deste design moderno, tanto pela arquitetura pouco convencional de seu prédio projetado na década de 1970 pelo consagrado arquiteto austríaco Hans Hollein, quanto pela beleza do design de suas joias contemporâneas. Vale destacar que Hollein é o único austríaco a vencer o premio Pritzker, tornando-se sem dúvida o mais importante arquiteto da Áustria moderna. Em 1985, o júri que o consagrou, descreveu sua obra da seguinte maneira, “O Pritzker de 1985 constrói museus e depois coloca suas obras dentro. Arquitetura não basta, ele também é mestre nas obras de Arte”.

A joalheria Schullin

A joalheria Schullin

  A Cidade que consagrou Beethoven, Haydn, Schubert, Strauss, Brahms, Mahler, Mozart, Schönberg dentre tantos outros, é um lugar onde a musica clássica é vivida diariamente das mais diversas maneiras. O incrível Haus der Musik, ou Casa da Musica, um museu dedicado a musica e ao som, que para os apaixonados por musica é uma experiência única. Passa por toda historia da musica clássica e erudita, ate os aspectos físicos do som, ondas sonoras, musicas e nossa percepção a estes sons, com demonstrações dinâmicas e interativas. Não faltam lojas de souvenir que de certa forma chegam a constranger a grandeza dos gênios musicais, transformando Beethoven, Mozart e Strauss em estatuetas e chocolates. Mas ainda são seus concertos, quase diários que garantem a perpetuação da genialidade de seus artistas. Uma noite onde se volta ao passado, homens e mulheres respeitam a grandiosidade do evento, trajam fraques e vestidos longos e elegantes, para apreciar a musica respirada em toda cidade.

Crianças brincando no Haus der Musik

Crianças brincando no Haus der Musik

 

Mas Viena vai muito além de sua musica e edifícios fascinantes. Com inúmeras galerias de arte espalhadas por suas ruas, e seus diversos museus e palácios, destaca-se o Museum Quartier, uma área de 60 mil metros quadrados, com prédios dos mais diferentes estilos, de barrocos a modernos, hoje a oitava maior área cultural do mundo com mais de 14 museus.

Vista aérea do Museum Quartier

Vista aérea do Museum Quartier

 

Dentre seus belos palácios, o Belvedere, projetado para abrigar a família real, nunca chegou a cumprir sua função, foi praticamente desde o inicio um grande museu, dedicado a historia dos Habsburg. Hoje conta com o mais importante acervo do austríaco Gustav Klimt, provavelmente o maior pintor simbolistas do mundo.

Outro Palácio museu de extrema importância, considerado uma “joia” neoclássica, o Albertina, serviu na historia como residência de parte da nobreza austríaca. Originalmente construído para abrigar os mais de mil objetos de arte do Príncipe Alberto da Polônia, serviu como sua residência e de seu filho, que praticamente o esvaziou com a abolição da monarquia. Abriga hoje um dos maiores e mais importantes acervos gráficos do mundo, são mais de 50 mil desenhos e telas e um milhão de gravuras, de diversos estilos e épocas. O palácio abriga também exposições temporárias de extrema relevância, de grandes nomes, como por exemplo, Michelangelo e Picasso.

O Palácio Albertina

O Palácio Albertina

 

A culinária típica se encontra em todas as esquinas, repleta de vitela, salsichas, e o famoso apfelstrudel, um doce austríaco, equivocadamente considerado de origem alemã. Entre os restaurantes e cafés se destacam, alguns por sua tradição secular como o famoso Café Sperl, outros como o Café Hawelka aberto em 1936, onde o mesmo dono hoje um senhor centenário 102 anos, que mante a tradição e ate hoje recepciona seus clientes na porta com uma gentileza digna da elegância da cidade.

Não se pode visitar Viena sem comer a famosa Sacher torte, um bolo de chocolate com uma pequena camada de creme de damasco, criado em 1832 para o príncipe Metternich, de preferência no Sacher hotel.

A deliciosa Sacher Torte

A deliciosa Sacher Torte

 

Uma das melhores épocas do ano para se visitar Viena é entre dezembro e janeiro, dentre todas as cidades europeias é sem duvida a que tem a temporada natalina mais festiva, que se estende por diversas semanas, em especial entre o natal e ano novo quando a cidade fica repleta de atrações e concertos ao ar livre. Para passar o ano novo com estilo, aulas de valsa gratuitas são oferecidas para que as pessoas possam passar a virada valsando em plena praça publica com suas taças de champagne, em uma festa repleta de coros, apresentações e shows gratuitos espalhados pelas ruas da cidade.

Viena no inverno

Viena no inverno

  A cidade cortada pelo rio Danúbio parece ter criado uma divisão entre a velha Viena e a nova Viena e bem neste meio fica o prédio das nações unidas. Uma cidade luxuosa, cercada pelos exuberantes Alpes europeus, onde se respira cultura, com um povo amigável e para os amantes do frio, um clima perfeito. Siga a All Planet Diaries no Bloglovin, Facebook e Instagram

Nunca Perca Outro Post!

Fique sabendo de todas nossas novidades e promoções por e-mail

Contos de Viagem

Arte e Gastronomia em Miami

Está sem tempo para ler o post? Não se preocupe! Clique aqui para baixá-lo em pdf e aqui para baixar a versão em áudio.

Miami! A cidade das compras e praias? Ou será o novo destino global para os amantes da arte e gastronomia?

por Tomás Yazbek

Vista por muitos brasileiros como um paraíso para compras, Miami sofreu nas ultimas décadas uma transformação sem tamanho. Entre o final da década de 40 e inicio dos anos 50 começam a ser erguidos luxuosos hotéis, e Miami tomava forma e fama como uma cidade glamorosa. Isso ate a “revolução” cubana, durante as décadas de 70 e 80, quando cerca de meio milhão de cubanos se exilaram na cidade, dando uma nova cara a cidade, com um ar latino, e cada vez mais internacional. De lá para cá Miami vem crescendo cada vez mais e tornou-se um dos principais centros financeiros dos Estados Unidos, deixando de ser apenas um polo turístico e se transformando em um grande centro de negócios.

Com todas as suas transformações Miami acabou ganhando o titulo de Capital das Américas. Uma das cidades mais cosmopolitas dos Estados Unidos, a agitada Miami antes sinônimo de compras e badalação, cada vez mais vem mostrando outra cara, um paraíso para os amantes da arte e da boa gastronomia.

Pôr do sol em Miami

Pôr do sol em Miami

 

Os luxuosos hotéis são também a casa de diversos restaurantes de alta gastronomia, com destaque o Palme d’Or, do Biltmore Hotel, com o estrelado chefe Philippe Ruiz a frente de sua cozinha. Diversos outros, como o oriental Hakkasan, e o famoso japonês Nobu, fazem hoje de Miami um polo gastronômico, atraindo nos últimos anos grandes nomes da gastronomia mundial como Jean-Georges Vongerichten, com três restaurantes espalhados pela cidade, e o também renomado Daniel Boulud. Ambos ostentam em Nova York restaurantes agraciados com três estrelas Michelin.

O restaurante Hakkasan

O restaurante oriental Hakkasan

 

A Art Basel Miami Beach, irmã caçula de consagrada Art Basel, uma das mais importantes feiras de arte do mundo, com sede na Suíça, celebra este ano sua décima quinta edição em Miami. Hoje é sem duvida a mais importante feira de arte das Américas, e colocou Miami no mapa internacional das artes, diversas galerias de todo o mundo levam seus artistas renomados e outros jovens talentos, para este grande show da arte contemporânea e moderna.

Uma das exposições da Art Basel Miami Beach 2016

Uma das exposições da Art Basel Miami Beach 2016

 

A mistura cultural e étnica, torna a cidade cada vez mais interessante, com diversos museus temáticos, além é claro dos museus tradicionais como o MoCa. Com uma extensa programação de exposições variadas e um acervo permanente contemporâneo que cresce a cada ano, é conhecido como o museu onde novas artes e artistas são descobertos. Outro museu que vale a visita, o Museu Histórico do Sul da Flórida, que remonta a historia da região passando desde o período pré-histórico até os bondes do início do século XX.

O MoCA

O tradicional museu MoCa

 

O Perez Art Museum, inaugurado em 2013, dedicado a arte moderna e contemporânea de artistas do século XX e XXI é hoje uma das maiores joias culturais da cidade. O prédio em si é uma obra de arte, projetado pelos arquitetos Herzog e de Meuron, vencedores do Pritzker, o Oscar da arquitetura e urbanismo. Surgiu como uma espécie de “evolução” do antigo Miami Art Museum. Seu vizinho, com previsão de inauguração neste verão, o Patricia and Phillip Frost Museum of Science and Planetarium completa o Museum Park, um parque com mais de 120 mil metros quadrados localizado em Downtown, uma das regiões que mais se transformou nas ultimas décadas.

Os jardins verticais do Perez Art Museum

Os jardins verticais do Perez Art Museum

 

Ainda na região de Downtown, se destacam o Design District e seu vizinho Wynwood, hoje o bairro das galerias e Street Art, com destaque ao espetacular Wynwood Walls, um museu a céu aberto voltado ao grafite e a arte de rua.

Um dos murais dos Wynwood Walls

Um dos murais dos Wynwood Walls

 

Miami ainda é o paraíso das compras, com inúmeros shoppings, como o famoso Bal Harbour que concentra as mais luxuosas grifes do mundo, e diversos outros. Para aqueles dispostos a percorrer maiores distancias, inúmeros outlets estão espalhados nas proximidades da cidade.

O belo paisagismo dos Bal Harbour Shops

O belo paisagismo dos Bal Harbour Shops

 

Excepcionais restaurantes, uma vida noturna agitada com bons clubes noturnos, para todos os gostos e bolsos, galerias e museus de encher os olhos. Moderna e ao mesmo tempo histórica, com seus maravilhosos e muito bem preservados edifícios em estilo art déco, Miami hoje é uma grande mistura, uma verdadeira cidade global, com uma vantagem que talvez só o Rio de Janeiro possa parcialmente oferecer, lindas praias que ostentam em grande parte aquele mar com uma coloração digna das mais belas praias caribenhas. Respira-se cultura em uma cidade que a cada ano se transforma e apresenta sempre agradáveis surpresas e novas atrações.

Siga a All Planet Diaries no Bloglovin, Facebook e Instagram

Nunca Perca Outro Post!

Fique sabendo de todas nossas novidades e promoções por e-mail